Posts Tagged ‘ miguel falabella ’

Cleto Baccic é indicado ao Prêmio “APCA” por sua atuação em “O Homem De La Mancha”


banner o homem de la mancha

A comissão de teatro da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) divulgou nesta terça-feira, 25 de novembro, a lista de indicados ao Prêmio APCA 2014, pela temporada do segundo semestre na cidade de São Paulo. O ator Cleto Baccic, protagonista do espetáculo O HOMEM DE LA MANCHA, foi indicado na categoria Melhor Ator. O musical, dirigido por Miguel Falabella e produzido pelo Atelier de Cultura para o SESI-SP, também concorre à premiação na categoria Melhor Espetáculo.

“Me sinto muito honrado com essa indicação. O Prêmio APCA é reconhecidamente um dos mais importantes para o Teatro Brasileiro. Estar na lista dos indicados me enche de contentamento. É um sonho realizado”.

Às categorias citadas serão somadas as do Grande Prêmio da Crítica e a do Prêmio Especial. A votação final acontecerá na segunda-feira que vem (1º/12), na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo.

Além da indicação como melhor ator, o musical também concorre como melhor espetáculo! Confira abaixo a lista de indicados ao prêmio em 2014:

Melhor Ator
Cleto Baccic (O Homem de la Mancha)
Juca de Oliveira (Rei Lear)
Ricardo Blat e Thelmo Fernandes (A arte da comédia)
Ricardo Gelli (Propriedades condenadas)
Roney Facchini (Ou você poderia me beijar)
Rubens Caribé (Assim é (se lhe parece))

Melhor Espetáculo
A arte da comédia
Assim é (se lhe parece)
Conselho de classe (Companhia dos Atores)
O Homem de la Mancha
Os Azeredo mais os Benevides
Pessoas perfeitas (Companhia de Teatro Os Satyros)

Autor/dramaturgo
Alexandre Dal Farra (Abnegação)
Jô Bilac (Conselho de classe)
Leonardo Cortez (Maldito benefício)
Luís Alberto de Abreu e Calixto de Inhamuns (Karamázov)
Newton Moreno e Alessandro Toller (O grande circo místico)

Atriz
Clara Carvalho (Preto no branco)
Laila Garin (Elis, a musical)
Marieta Severo (Incêndios)
Nathalia Timberg (Tríptico Samuel Beckett)
Sandra Dani (Oh os belos dias)

Diretor
Aderbal Freire-Filho (Incêndios)
André Guerreiro Lopes (Ilhada em mim – Sylvia Plath)
Bel Garcia e Susana Ribeiro (Conselho de classe)
Marco Antônio Pâmio (Assim é (se lhe parece))
Rubens Rusche (Oh os belos dias)
Zé Henrique de Paula (Antes de mais nada e Preto no branco)

Confira algumas imagens do espetáculo “O Homem De La Mancha”!

Anúncios

Grupo da Melhor Idade de Camanducaia assiste a “O Homem De La Mancha”


banner o homem de la mancha

No último sábado, 15 de novembro, o Grupo da Melhor Idade de Camanducaia ganhou um passeio para assistir a peça de teatro “O Homem De La Mancha”, em São Paulo. A peça, dirigida por Miguel Falabella, fala das barreiras de um mundo injusto e cruel e a busca por uma resposta, além desses grandes vazios.

No final da peça, o ator principal, Cleto Baccic, recebeu o Grupo da Melhor Idade com uma simpatia inigualável, tirando risos de todo o grupo e posando para as fotos. A volta para Camanducaia contou com uma parada no restaurante Dom Pedro, em Atibaia, para um lanche oferecido pela Dona Ivone, proprietária do restaurante.

163

Crítica “O Homem De La Mancha” – Revista Stravaganza


bannr o homem de la mancha 2

Pode até não desembrulhar algo mais profundo, como o estudo da opressão, a crítica social e a sátira ao ideal do heroísmo, temas presentes no cultuado romance do escritor espanhol Miguel de Cervantes. No entanto, o texto relido por Dale Wasserman, com músicas de Mitch Leigh e letras de Joe Darion, honra à altura o papel de entretenimento eficaz. E a adaptação brasileira, subscrita pelo diretor Miguel Falabella, comete ainda uma ousadia. No lugar de ambientar a ação na Inquisição espanhola do século XV, cenário original da obra, ele transferiu os eventos para um manicômio brasileiro no final da década de 1930. A peculiar mudança ampliou as perspectivas e impressões de uma montagem que se desenvolve de forma vigorosa, eficiente e criativa. Se na matriz um presidiário da Inquisição comanda os outros reclusos, nesta versão é a figura do Governador quem organiza a rotina dos demais internos. Trata-se de um personagem assumidamente inspirado no autodidata artista plástico sergipano Bispo do Rosário (1909-1989), que passou os últimos cinqüenta anos da sua vida internado no hospício da Praia Vermelha e, mais tarde, na Colônia Juliano Moreira, no Rio de Janeiro.

Na trama, um paciente que se apresenta como Miguel de Cervantes, poeta, ator de teatro e coletor de impostos, chega ao manicômio, onde é recepcionado pelo temido Governador, um maluco que manda até nos médicos da instituição. Ingênuo, sonhador e boa gente, o novo hóspede está acompanhado de seu criado, sujeito pouco inteligente, porém mais lúcido que o patrão. Logo no primeiro dia seus pertences são roubados, incluindo um importante manuscrito. Um julgamento é instaurado para definir se ele merece ter o texto de volta. No intuito de convencer a autoridade máxima do local, o escritor leva a cabo a missão de encenar a história de um cavaleiro errante chamado Dom Quixote, um nobre decadente que, ao lado do fiel escudeiro Sancho Pança, corre o mundo disposto a corrigir os erros, combater o mal e praticar o bem. Para concretizar a peça teatral, recruta como atores os próprios pacientes, que dão vida a diversos personagens e embalam uma tresloucada aventura marcada por moinhos de vento, ciganos e uma taberna freqüentada por pessoas nem um pouco confiáveis.

Falabella concebeu um musical movimentado, embebido de teatralidade e de vivacidade transbordante, que mantém o interesse do espectador do início ao fim. Ele acertou ainda na composição do numeroso elenco, com intérpretes adequados aos diferentes personagens do enredo.

O HOMEM de La MANCHA 5 - DNG

Com silhueta esguia e estudada fragilidade física, Cleto Baccic denota desenvoltura técnica e comovente sinceridade no duplo papel de Cervantes e Dom Quixote. Em um de seus bons momentos, exibe domínio da voz na interpretação da envolvente O Sonho Impossível.

Na condição de um dos nomes mais expressivos dos musicais brasileiros, a bela Sara Sarres interpreta Aldonza, a amarga prostituta que o anti-herói enxerga como donzela respeitável e virtuosa. Centrada, a atriz expressa a dor e a raiva da mulher importunada pelos homens e entrega seus reconhecidos recursos vocais na entoação de canções de partitura difícil. Ator experiente, Jorge Maya concede leveza e versatilidade ao seu Sancho Pança, proporcionando diversos instantes de alívio cômico. Guilherme Sant’Anna incute força e autoridade na pele do Governador. Com desembaraço e entusiasmo, Carlos Capeletti concede dignidade ao papel do Duque, mesmo em poucas aparições. Ivan Parente, como o Padre, evidencia aqui sua aptidão e afinação para cantar, regalias que não pode oferecer no musical A Madrinha Embriagada, seu trabalho mais recente. Referência no gênero, a atriz Kiara Sasso irradia calor na interpretação de Antonia, a vivaz sobrinha do protagonista. Os talentosos Fred Silveira (Pedro e substituto para viver Dom.Quixote), Ivanna Domenyco (criada), Edgar Bustamante (hospedeiro), Frederico Reuter (Sansão Carrasco) e Arízio Magalhães (Barbeiro) apoderam-se de suas respectivas criações e ajudam a cristalizar o viço e frescor do espetáculo.

A equipe de criação se inspirou no universo de Bispo do Rosário para preencher a encenação de referências ao inquieto artista. A empreitada foi bem sucedida. Os cenógrafos Matt Kinley (britânico) e David Harris (americano) forjaram uma poderosa estrutura metálica semicircular elevada a oito metros do piso. Uma passarela interliga quatro escadas em curva e serve para separar os ambientes reservados aos loucos e os restritos à chefia. O corpo do cenário é agasalhado por um tule pintado a mão pelo artista cênico Vincent Guilmoto, que buscou a caligrafia original do artesão sergipano. Até a passagem de navios – tema recorrente no repertório do artista – pelo palco faz alusão à sua obra.

Também os figurinos, de Cláudio Tovar, seguem o mesmo diapasão. As roupas ganharam cores, com destaque para o manto bordado do Governador, e os objetos cênicos foram compostos a partir de sucatas, outra de suas obsessões artísticas – o figurinista desenhou ainda jóias feitas de latas amassadas. A segura direção musical leva a assinatura de Carlos Bauzys, que adicionou ao conjunto de músicos dois violonistas especializados em melodia espanhola, ambos responsáveis pela execução de guitarras flamencas. Uma grata surpresa, levando-se em conta que, na Broadway, a montagem dispôs de uma orquestra sem instrumentos de cordas, com a exceção de um contrabaixo. Por fim, a coreografia de Kátia Barros influencia positivamente na fluência dos números e no bom ritmo da produção.

o homem de la mancha sesi sp (11)2

Não é a primeira vez que o musical é levado no Brasil. Em 1972, a encenação paulista dirigida por Flávio Rangel, também tradutor ao lado de Paulo Pontes, contou com Chico Buarque e Ruy Guerra na versão das letras. Quem interpretou o herói problemático Dom Quixote foi Paulo Autran, que contracenou com Bibi Ferreira (Aldonza) e Grande Otello (Sancho Pança) – este substituiu Dante Rui na temporada carioca. Uma das maiores obras do teatro musical, desde sua estréia, em 1965, tem sido continuamente montada mundo afora. Não por acaso: o texto celebra um personagem que, observado pelo discurso e ideologia, de louco não tem nada.

(Vinicio Angelici – vinicioangelici@gmail.com)

(Foto João Caldas)

Avaliação: Ótimo

O Homem de La Mancha

Texto: Dale Wasserman

Músicas: Mitch Leigh

Letras: Joe Darion

Versão e Direção: Miguel Falabella

Elenco: Cleto Baccic, Sara Sarres, Kiara Sasso, Jorge Maya e outros.

Estreou: 13/09/2014

Teatro do Sesi
(Avenida Paulista, 1.313, Cerqueira César. Fone: 3146-7406).
Quarta a sexta, 21h;
Sábado, 17h e 21h;
Domingo, 19h.
Entrada gratuita.
Até 21 de dezembro.

Prêmio Arte Qualidade 2014 – O Homem De La Mancha


premio arte qualidade 2014

Sempre coerente em seu objetivo de reconhecer o talento do artista brasileiro, a premiação artística e cultural passou por uma grande reformulação em 1999 com a introdução de novos critérios e seu atual modelo de indicação e resultado através de votação pública pela internet, somando prestigio e credibilidade para se tornar um dos importantes prêmios de reconhecimento artístico do país.

Em 2014, o musical “O Homem De La Mancha” concorre ao prêmio na categoria de “Melhor Espetáculo Teatral Musical“, por produção do “Atelier de Cultura“!

Clique na imagem abaixo para votar!

banner o homem de la mancha

Miguel Falabella une “Dom Quixote” a “Bispo do Rosário”


5D III

Para montar a versão de “O Homem de La Mancha”, espetáculo que estreia sábado (13/09) no Teatro do Sesi-SP, o diretor Miguel Falabella foi buscar inspiração na história do artista plástico sergipano Arthur Bispo do Rosário (1911-1989).

“Resolvi fazer o ‘Homem de La Mancha’ na Colônia Juliano Moreira, nos anos 1930, com toda a estética do Bispo do Rosário. Então vai ser toda uma experiência junto com o musical e isso vai ser muito legal.” 

Diagnosticado com esquizofrenia logo que chegou à Colônia, onde ficou por mais de 50 anos, Bispo do Rosário entendia ter uma missão: apresentar o mundo a Deus no dia do Juízo Final. Para isso, dedicou-se a produzir bordados, a mumificar objetos e a construir painéis abstratos com objetos do cotidiano. A obra do artista já foi exibida em dezenas de exposições no país, incluindo mostras em Nova York e Londres.

Para Falabella, o que há de melhor em atuar como diretor em teatro musical é justamente a possibilidade de fazer a sua leitura.

“Cada tem sua própria viagem. E quando bem feitas, elas chegam ao coração do público”

É o que ele faz na montagem que fica em cartaz até 21 de dezembro no Teatro Sesi-SP. Falabella faz referência a Bispo do Rosário para caracterizar o “Governador” – no texto original um preso da Inquisição que comanda os outros presos.

Na versão, ele comanda outros internos da Colônia Juliano Moreira no final dos anos 30, quando um novo paciente é anunciado para internação e apresenta-se como “Miguel de Cervantes”, poeta, ator de teatro e coletor de impostos, que chega acompanhado de seu criado, Sancho.

Ele é abordado pelo então “Governador”, que, com ajuda do grupo, ataca seus pertences e lhe subtraem suas poucas posses. Cervantes, no entanto, fica preocupado apenas com um manuscrito, que é arremessado entre eles.

Para dar a Cervantes a oportunidade de reaver o objeto, o “Governador “instala um julgamento. E para apresentar sua defesa, Cervantes convida os internos a encenar com ele uma peça de teatro.

manoflamancha1

O “Homem de La Mancha” faz parte Projeto do Sesi-SP em Teatro Musical, que, além dos espetáculos como “A Madrinha Embriagada” (também dirigido por Miguel Falabella), abre oficinas de vivência e curso de formação de atores em Teatro Musical. As oficinas proporcionam acesso à linguagem do teatro musical para os alunos da rede Sesi-SP de ensino, complementando seu desenvolvimento cognitivo e motor. Já o curso, implantado em março de 2014, tem duração de três anos com a finalidade de formar atores para o mercado com aulas de canto, dança e interpretação.